"A todos os visitantes de passagem por esse meu mundo de cores tão intensas... lhes desejo um bom entretenimento, seja através de textos com alto teor poético, das fotos de musas que emprestam suas belezas para compor esse espaço ou das notas da voz fascinante de Petra Magoni... que nem vejam passar o tempo e que voltem nem que seja por um momento!"

2 de dez de 2011

Foto do post... Gregory Crewdson




Mulher à janela

Está afundada na sua janela contemplando as brasas do anoitecer, ainda possível. Tudo se consumou no seu destino, inalterável a partir de agora,tal como o mar num quadro, e no entanto o céu continua a passar com as suas angélicas procissões. Nenhum pato selvagem interrompeu o voo para oeste; lá longe continuarão a florescer as ameixoeiras brancas, como se nada fosse, e alguém há-de erguer a sua casa algures sobre a poeira e o fumo de outra casa.

Inóspito este mundo.
Áspero este lugar de nunca mais.

Por uma fissura do coração sai um pássaro negro e é noite -ou será um deus caído agonizando sobre o mundo?-, mas ninguém o viu, ninguém sabe, nem aquele que acredita que dos laços desfeitos nascem asas belíssimas, os nós instantâneos do acaso, a aventura imortal, embora cada pegada encerre com um selo todos os paraísos prometidos.

Ela ouviu em cada passo a condenação. Agora não é mais do que uma mulher imóvel, alheada, na sua janela, a simples arquitectura da sombra asilada na sua pele, como se alguma vez uma fronteira, um muro, um silêncio, um adeus, tivessem sido o verdadeiro limite, o abismo final entre uma mulher e um homem.

Olga Orozco

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nem sempre as poesias que posto tem a ver com o que estou passando ou sentido. Muitas vezes posto uma poesia pela sua beleza, ou então porque me toca, ou porque, de uma certa forma, me identifico com as palavras do poeta, e as visto.
Vista-se também!...