"A todos os visitantes de passagem por esse meu mundo de cores tão intensas... lhes desejo um bom entretenimento, seja através de textos com alto teor poético, das fotos de musas que emprestam suas belezas para compor esse espaço ou das notas da voz fascinante de Petra Magoni... que nem vejam passar o tempo e que voltem nem que seja por um momento!"

27 de jul de 2011

Foto do post... Katia Chausheva





Não me acordes

A noite deita-se comigo
na fenda do tempo

Os dedos do luar
penteando os cabelos do sonho

Oh, meu amor
podes passar pelo meu sonho
podes ficar no meu sonho
mas não me acordes

Yao Jingming

24 de jul de 2011

Foto do post... Nicole Kidman




Raios de luz

Voltei a ouvir o canto do melro e a sentir a brisa no rosto.
Lentamente, acordo do longo inverno.
Mas ainda não sei se sou eu.

Ana Lisboa

23 de jul de 2011

Foto do post... Ava Gardner




Na pureza do existir

Tiro de novo a fotografia do envelope e ela fixa-se logo em mais realidade na ficção da sua imagem. Está de perfil como sempre a vejo e olho-a tão intensamente. Temo que ela se volte e vá falar – e que é que iria dizer? O nosso encontro é no eterno, meto de novo a fotografia no envelope. Nunca a amei assim. No absoluto da imaginação. No vazio da inexistência. Na pureza do existir que é igual ao seu nada. No amor em si. E a ternura que me toma é tão. Ternura de nada. Absurda estúpida. Na ficção interna, virada para dentro de eu ser terno. E a sua imagem aérea. E a reconstrução súbita de tudo quanto nela aconteceu.

Vergílio Ferreira

22 de jul de 2011

Foto do post... Kim Novak




Decadência...

No céu a preto e branco, asas voam ao longe
Pintando na tela traços incolores duma vida anérgica
banhada por ondas gélidas que arrebatam sonhos
deixando-os vogar sobre o insopitável oceano cinza.

Propagam-se no vento sons quase inaudíveis
que se materializam no sentir mais profundo
dos brancos imaculados pincelados a breu
revelando cenários místicos do viver.

Traços a carvão sombreiam horizontes
desfocando a pouca luz de olhares amorfos
que se perdem no tempo já passado
perecendo, lentamente, sem retorno.

OA.S

20 de jul de 2011

Foto do post... Alice Lemarin




Valsas de Esquina de Mignone

Só um pássaro
e seu peso de orvalho tocando
o chão como se foram teclas.
Passa onde a graça
ilumina a cidade de ferro
subitamente atenta a essa beleza.

Nos jardins teimam rosas
delicadamente.
Violetas africanas
salpicam de ouro
muros escuros
e as princesas purpúreas
espiam dos balcões verdes
nas paredes florescidas:
dançam pétalas
dança a vida
nos jardins contentes
não termina a partitura
que se repete
sempre.

Dora Ferreira da Silva

19 de jul de 2011

Foto do post... Stefana's Photos




O Rosto

O rosto e o tempo
Cruzam-se num espelho
Rachado. E dialogam.
É uma conversa de surdos.
O rosto e o tempo divergem
Na mesma vertigem do absurdo.
Ambos não se reconhecem.
(Ah, tão misterioso este rosto,
Tão plácido este tempo,
Tão cruel este espelho).

Armando Artur

17 de jul de 2011

Foto do post... Penelope Cruz




Soam os sinos

Soam os sinos, soam.
Bem no ocaso da tarde,
Quando o sol vermelho
Desce a ladeira do fim da rua.
E cruza com a lua que sobe...
É dia e noite.
Acendem as luzes amarelas...
É chuva, é frio,
É lúgubre,
É tétrico!
É sinistro o tom do féretro,
Compassado pelos pés
Que se arrastam no chão!
Soam os sinos, soam.
Carpideiras cínicas e chorosas
Oferecem em holocausto
O corpo do amor
A qualquer Deus...

Gilson Froelich

16 de jul de 2011

Foto do post... (desconheço)




Para Sempre

Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.

Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
- mistério profundo -
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.

Carlos Drummond de Andrade

14 de jul de 2011


Caros amigos e leitores

Por motivo de doença de um familiar, minha mãe,
não estou com disponibilidade, física nem mental,
para continuar a postar no blog.

Espero voltar quando tudo estiver normalizado.

Agradeço à todos que por aqui passam e deixam seu carinho.


3 de jul de 2011

Foto do post... Emily Browning




as horas de domingo trazem consigo ventos frios. há abraços de despedida em estações de comboio, vidas empacotadas em malas que se arrastam pesadamente pelas ruas, um céu cinzento quase nocturno a anunciar chuva, e palavras desajeitadas porque as outras só são ditas na solidão dos corações.
e há nós os dois, o beijo e a certeza de dias sem sol porque não vais estar.

Andreia Barros

2 de jul de 2011

Foto do post... (desconheço)




fragmentos de uma canção esquecida

os acordes da vida
acordaram-me...
tarde demais!

a orquestra
atrasou o ritmo
sem dó(r)
ré(abriu) a ferida
dentro de mi(m)

sem fá(ces)
sol(ta) meus medos
e lá(nça)-me
no si(nal) fechado

sinfonia partida
na partitura
sem con(c)(s)erto

ydeo oga

1 de jul de 2011

Foto do post... Elene Usdin




Estou sempre de partida, malas feitas, portas trancadas, chave em punho.
No fundo eu quero dizer... me impede de ir. Fica parado na minha frente e fala que eu tenho lugar por aqui, que não preciso abandonar tudo cada vez que a solidão me derruba. Me ajuda a levar a vida menos a sério, porque é só vida, afinal.

E acabo calada, porque não faz sentido dizer tudo isso sem ter pra quem.

Verônica H.