"A todos os visitantes de passagem por esse meu mundo de cores tão intensas... lhes desejo um bom entretenimento, seja através de textos com alto teor poético, das fotos de musas que emprestam suas belezas para compor esse espaço ou das notas da voz fascinante de Petra Magoni... que nem vejam passar o tempo e que voltem nem que seja por um momento!"

29 de fev de 2012

Foto do post... Shelepa




Descalça

Quando meus medos me abandonaram,
minha alma descalça pisou cacos de saudade
e meus pés feridos sangraram angústias inúteis.

Foi então que a vida me encontrou.

Devolvi a capa de sonhos,
o par de óculos azuis, os anéis, as alianças,
as luvas que guardaram afagos...

Vencidos os moinhos de vento,
despi a armadura enferrujada,
prendi Rocinante à linha do horizonte
e parti.

Henriette Effenberger

28 de fev de 2012

Foto do post... Katia Chausheva




Tem dias que não sei quem sou
Sou sombra do que já fui
Arremedo do que serei
São dias de inautenticidade
Onde minha essência se perde
O espelho não me reconhece
E eu não sei o que acontece...

Nina Victor

26 de fev de 2012

Foto do post... Lily Cole




Bordadeira

Passa horas
no quarto de costura
bulindo no cesto letras.

Em silêncio
alinhava sílabas
costura versos
borda palavras.

Valentina Diadory

25 de fev de 2012

Foto do post... Richard Burbridge




O Áugure

Sou um prisma às avessas
as cores em mim se confundem
sou um tapete de ecos
uma cachoeira de gritos
uma cordoalha de muitos tempos

A esfera de lantejoulas
- passado presente futuro -
roda refletindo mil sóis

Sou essa colméia de incêndios
essa assembléia de sinais
esse rumor insone

Helio Pellegrino

24 de fev de 2012

Foto do post... Richard McDowell




Não voa

a ave não voa. agora não. presa ao chão por raízes de desencanto. o voo era só um sonho inútil. deixa-se baloiçar com o vento e sente lembranças da embriaguez do espaço. tenta construir os seus dias no ninho suave que sempre a acolheu. pouco a pouco caem as asas. guarda consigo algumas penas num pequeno canto forrado de ternura.

Maria Laura

23 de fev de 2012

Foto do post... Lucille Ball




pouco depressa

falo-te de chuva
como quem diz que as minhas mãos
não se exaltam em revisitar-te o peito

revejo todos os verdes
no peppermint do meu cálice
enquanto a janela abro
pouco depressa
sobre a tarde

falo-te de cansaço
como quem se sentasse
numa poltrona de lã

Daniel Maia-Pinto Rodrigues

22 de fev de 2012

Foto do post... Anna May Wong




Tu olhas
Ora para mim
Ora para as nuvens

Sinto que
Estás tão longe quando olhas para mim
E tão perto quando olhas para as nuvens.

Gu Cheng

21 de fev de 2012

Foto do post... Via Collective Obsession




Confeitos de Alto Mar

A menina queria
uma história
que fosse doce
e que falasse
dos bichinhos
que vivem no
fundo do mar.
E gostou de
ouvir sobre os
biscoitos em
forma de estrela
que dançavam
à noite sobre
as ondas para
a sobremesa
do siri dengoso
e das baleias.

Alvaro Bastos

18 de fev de 2012

Foto do post... Kiyo Murakami




Hoje não...

hoje não amor
os tons da terra mudam cada dia
nada permanece neste outono de incerteza
por isso hoje não
não fales do que não posso entender
há trilhos sem fim visível
labirintos sem fio que me guie
hoje não sim talvez
...e o medo
infinito arrepio de me perder

Alice Daniel

15 de fev de 2012

Foto do post... (desconheço)




Borbulho

Existe um borbulho
dentro de mim
de gestos
afetos
revoltas

Existe um borbulho
dentro de mim
de cores
palavras e versos
a construir

Existe um borbulho
dentro de mim
lava
anseio vulcânico
por uma vida
que não é esta.

Asta Vonzodas

11 de fev de 2012

Foto do post... Aino Kannisto




Fechar no punho os estilhaços
os fragmentos que conservo do teu nome
e permitir que o corte se prolongue
pela mão
pelo braço
pelas têmporas
até que a repetida sentença da carne
atravesse a cartilagem e o osso
e se consuma no rito de um flagelo
apenas comparável à tua ausência.

Laura C. Skerk

5 de fev de 2012

Foto do post... (desconheço)




o dia envolve-se de borboletas como uma imensa gargalhada
são marcas de água na realidade onde os olhos se afundam

eu não disse as borboletas entre os dias e os murmúrios
desenham afirmações a falsear as sombras

o mundo suspenso numa tarde de verão

dizer que a luz é azul é falar de céu
e com o tempo todo nas pausas
o branco é o novo cheiro das palavras

e no papel gatafunho borboletas como
modelos impessoais de destroços

Maria Sousa

1 de fev de 2012

Foto do post... Eva Green




Algodão Doce

Todas as noites, antes de me deitar, eu fico nua e passo uma folha de alfazema pelo corpo. Separo o dedal, as agulhas, os fios e o cetim e começo a remendar os vestidos que vou usar para você. É vestimenta antiga, vem de lá longe, meu tempo de mocinha. Em alguns eu já trabalhei tanto que eles até parecem novos. Tudo pra te fazer feliz. Todas as noites, depois do perfume, eu abro a porta do quarto. Você entra de mansinho, aponta para um daqueles vestidos, eu fico bem bonita, nós saímos de mãos dadas e vamos comer algodão doce na frente da igreja do Bom Jesus. Todas as noites eu faço de conta que você não me deixou. Então pára tudo, pára o relógio, a respiração, o coração. Até o tempo pára, meu amor, esperando que, se um dia voltar, você não note que essas roupas escondem tantos buracos dentro e fora de mim.

Almir Feijó