"A todos os visitantes de passagem por esse meu mundo de cores tão intensas... lhes desejo um bom entretenimento, seja através de textos com alto teor poético, das fotos de musas que emprestam suas belezas para compor esse espaço ou das notas da voz fascinante de Petra Magoni... que nem vejam passar o tempo e que voltem nem que seja por um momento!"

28 de abr de 2012

Foto do post... Tilda Swinton




no silêncio, a saudade habitada


na ramada de úmidos lírios
a casa suspira aromas de primaveras
como se de um cesto de frutas colhidas frescas
a pureza de infâncias derrama-se sobre a mesa


enquanto o tempo aprisiona a tua eternidade
semeio-te vento onde respira a nossa história
nos jardins, nas clareiras, nas azinhagas, no ar


assim, de ti me acerco com os olhos exaustos da luz
entre as esquinas da memoria a pastorar os silêncios
onde respiram asvelhas canções de ninar teus cansaços
como um poema ferido de amor sob o látego da insônia


assim, de ti me acerco nas madrugadas de ausências irremediáveis
pelos cantos desocupados onde procuro-te nesse vazio que nada preenche
como se a morrer-me em oferta consagrada
para atingir-te uma vez, outra vez, e mais outra
porque ainda caminhas: - por essa dor inacabável!


Ana Merij

26 de abr de 2012

Foto do post... Sylvia Sidney




Se te é pouco o meu viver,
dou-te também o não viver.
O não-colhido do semeado.
O não-saboreado do colhido.
O sabor pleno do arredado.

Se te é pouco o meu morrer,
dou-te também que não morro.
O não-término da vida breve.
A longa vida da não-vida.
O alçado das descidas. O atar

do desatar-se, que o não viver
lateja nas veias mais vívido
e o ainda não-morrer bombeia
o fluxo para a boca com o olvido
do rosto, no gosto em fuga.

Maria Carpi

25 de abr de 2012

Foto do post... Snejana Onopka




A fúria dos pores-do-sol

Algo
frio está no ar,
uma aura de gelo
e apatia
Todo o dia construí
uma vida inteira e agora
o sol afunda-se para
a desfazer.
O horizonte sangra
e chupa o seu polegar
o pequeno polegar vermelho
desaparece.
E eu interrogo-me sobre
esta vida inteira comigo,
este sonho que estou a viver.
E podia comer o céu
como uma maçã
mas prefiro
perguntar à primeira estrela:
porque estou aqui?
porque vivo nesta casa?
quem é o responsável?
hã?

Anne Sexton

22 de abr de 2012

Foto do post... Janaina Tshape




não sei para onde foste morrer
eu continuo aqui… escrevo
alheio ao ódio e às variações do gosto e da simpatia
continuo a construir o relâmpago das palavras
que te farão regressar… ao anoitecer
há uma sensação de aves do outro lado das portas
os corpos caídos
a vida toda destinada à demolição.

Al Berto

17 de abr de 2012

Foto do post... Sharon Tate




do fundo
de minha retina
retirei uma
imagem

eu nunca a havia visto

e era toda
feita
da umidade dos meus
olhos

Mariana Botelho

16 de abr de 2012

Foto do post... Katia Chausheva




...

ando na vida à procura
de uma noite menos escura
que traga luar do céu
de uma noite menos fria
em que não sinta agonia
de um dia a mais que morreu

Camané

14 de abr de 2012

Foto do post... Merryl Strep




Claro que sou capaz de ver-te. (Ele obriga-a a adivinhar) O lenço que puseste ao pescoço? É o lenço vermelho... Ah!... Um pouco descaída para a esquerda... As mangas do roupão arregaçadas... Na mão esquerda? Tens o telefone. Na direita a caneta. Desenhas no mata-borrão perfis, corações, estrelas. Ris-te? Não sei porquê. Reduzida a ouvir-te, vejo com os ouvidos.

Jean Cocteau

13 de abr de 2012

Foto do post... Aino Kannisto




Clausura

Pintei de roxo o meu quarto…
Vesti-me de negro escuro!
Fiz arder todas as velas!
Vedei portas e janelas,
E deixei que a dor ficasse
Bem fechada dentro delas…

BlueShell

12 de abr de 2012

Foto do post... Saharoza




Dei um passeio

Passei por uma esquina. Não gosto de passear em vão, só vou se
precisar mesmo de alguma coisa. Ver o que há para ver, despachar o
assunto, mas andar por andar, não ando. Só por andar, isso não.
E também não gosto de quebrar nada. Hoje caminhei um pouco ate a
esquina, depois regressei, continuei a caminhar, depois voltei para casa,
fui ate a cozinha, tirei um copo do armário, não me perdi, tirei-o e
lancei-o para o chão. Não faço cenas. Primeiro segurei-o, mas logo o
deixei cair. Tudo isto aconteceu hoje. O som ecoou muito longe.

Endre Kukorelly

11 de abr de 2012

Foto do post... Keira Knightley




O resto já te disse.
Uns quantos anos de fluência, e depois
o longo silêncio, como o silêncio do vale
antes das montanhas devolverem
a própria voz mudada para voz da natureza.
Este silêncio é agora a minha companhia.
Pergunto. De que é que a minha alma morreu?
E o silêncio responde

Se a tua alma morreu, de quem é a vida
que estás a viver?
E quando é que te transformaste nessa pessoa?

Louise Glück

10 de abr de 2012

Foto do post... (desconheço)




No espelho
o olhar desaparece

às vezes desalojado
no meu próprio corpo

às vezes
angustiado
pela angústia
que rola
para lá e para cá como destroços
na rebentação

raspo com um dedo
o vidro
e oiço o mundo gritar.

Pia Tafdrup

9 de abr de 2012

Foto do post... Maureen O'hara




Se estou
sozinha na neve
é óbvio
que sou um relógio

de outro modo como poderia
a eternidade deslizar

Inger Christensen
(trad. José Alberto Oliveira)

8 de abr de 2012

Foto do post... Judy Garland




enquanto sonhas, as coisas tremem
como se as desfocassem
lágrimas já preparadas para serem
do sonho o teu real rosto.

acordas, porque as coisas tremem muito
e são quase uma só com muitos lados: o corpo
treme agora bem real com elas. as lágrimas

afinal escorrem. nos jornais
amanhã vão escrever seis graus
na escala do richter
que as mediu não sei bem como.

Bruno Béu

7 de abr de 2012

Foto do post... Viviane Mok




Vazio

Eu fechei a porta
Eu tranquei o quarto
Encontrei uma maneira tranquila de não viver
Eu venho pra cá
Para sentir solidão em meio à multidão
Eu me matei
Ninguém percebeu.

Dafne Stamato

5 de abr de 2012

Foto do post... Frederike Wetzels




Há três dias que durmo desordenadamente.
Transpiro e acordo e vejo casas que são desdobramentos da minha própria casa.
A verdade é que preciso de ti para um poema.
Preciso que te passeies por uma dessas casas, que te sentes, que te deites.
Preciso olhar para ti durante 27 segundos...

Vasco Gato

4 de abr de 2012

Foto do post... Nina Pak




Asas de Borboletas


Pensamento voa

...

voa leve
voa no vento
em asas de borboletas

...

na ausência das horas nuas
no tempo que escorre das mãos

...

no átimo de um segundo
na paz de um sorriso brando
na candura do olhar

...

voa, voa pensamento
não há limites
para o sonhar


Ianê Mello

2 de abr de 2012

Foto do post... Tide Hedren




Hoje soltei os pássaros
fechei a porta da gaiola
e voei com eles.
Fui-me embora...

Luísa Veríssimo

1 de abr de 2012

Foto do post... Candice Bergen




Coisas lilases

As coisas lilases são as bonitas
E surpreendentes, embora haja coisas que
Também o são, e talvez mais.
Sonhos lilases (as flores), e vestidos lilases,
e as olheiras lilases das heroínas
dos romances românticos.
Lilás é bom. E doce. Entristece-nos e
Reconforta-nos. O meu pensamento,
Neste momento, é lilás.
Hei-de enviar-te um ramo de lilases,
Com um cartão escrito em tinta lilás.
Lê-lo-ás, ao cartão escrito em tinta lilás,
E aqui e ali rirás, sabe-se lá. Um riso
Lilás. Helás!

Antero Abreu